17/05/19

Daenerys e o estereótipo da mulher louca dos gatos, SPOILERS!

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Game of thrones, GOT, é uma série da HBO que contém personagens de uma história de fantasia que se passa em um cenário medieval. Há várias criaturas místicas na série, dentre elas: dragões que caracterizam toda a bestialidade do mundo animal de GOT.

 

Vínculo humano-animal em GOT e na vida real

 

Em GOT, o vínculo dos dragões com a família Targaryen é estreito e é destacado na série pelas interações da personagem Daenerys com seus três dragões. O vínculo de Daenerys, também conhecida como Mãe de Dragões (Mother of Dragons), com seus companheiros não-humanos mostrou a possibilidade de uma relação de afeto mútuo entre humanos e animais, no caso de GOT, humanos e dragões. Uma vez que dragões possuem natureza destrutiva e imprevisível, a interação sempre foi observada como mágica e com muito temor tanto por outros personagens quanto pelos espectadores.

Daenerys mostra sua afeição pelos seus filhos dragões na sua ira, no seu silêncio e em suas lágrimas. Isso transmite tanto excentricidade, como também fraqueza, que culmina como parte da esperada loucura indomada da sua personagem. Na série, a sua conexão com o seu lado bestial, se fortalece com o vínculo humano-animal, resultando no despertar do monstro antes domado e no soterramento de sua humanidade. Em contraste, o personagem Jon Snow mostra sua relação com distanciamento quando se despede de Ghost, uma espécie de lobo gigante, direwolf, companheiro de tantas batalhas. Ambos personagens estabeleceram o vínculo com esses animais no período em que eram mais vulneráveis, quando filhotes. Como resultado do vínculo, Ghost e os dragões retribuem aos seus companheiros humanos sua lealdade de forma similar.

Em nossa história, o vínculo humano-animal foi demonizado na idade média. Só a aristocracia era capaz desafiar a Igreja e estabelecer um contato mais estreito com animais. Já os camponeses pagaram com suas vidas, sendo que muitas mulheres foram queimadas por mostrarem afeto e por cuidarem de animais.

Atualmente, o significado do vínculo humano-animal é mais positivo, porém, difere drasticamente ao redor do mundo, e sofre influências de diversos fatores: como religião, cultura, localidade, entre outros.

No mundo ocidental, o estereótipo da mulher louca dos gatos ainda reflete na figura de bruxa da idade média, a mulher que cometeu heresia por demonstrar afeto a animais, especialmente gatos, que na época, tinha sua imagem associada ao demônio pelos cristãos.

 

Cães, gatos, lobos e dragões

 

Nossos ancestrais domesticaram vários animais selvagens, muitos deles presas e somente três predadores: cães, gatos e raposas, sendo esta última espécie foi domesticada muito mais recentemente.

Os cães foram os primeiros animais a serem domesticados 15.000 a 40.000. Durante o processo de domesticação, humanos e cães compartilharam o mesmo ambiente, o mesmo tipo de comida, o que resultou para ambas espécies a seleção positiva de genes relacionados a metabolismo, digestão e até associados ao câncer, mostrando que cães e humanos co-evoluíram de forma paralela. Além disso, cognitivamente, cães foram selecionados para conviver com seres humanos, se tornando especialistas em decodificar nossas expressões faciais, nossa linguagem corporal e nosso estado emocional.

Já os gatos, foram domesticados e selecionados diferentemente dos cães. Acredita-se que o processo de domesticação teve seu início muito mais tardiamente, há 10.000 anos atrás. O interesse de se ter gatos por perto era inicialmente combater a população de roedores e para isso manter suas características de predador foram extremamente desejáveis. Gatos diferentemente dos cães agem solitariamente, enquanto os cães, são animais sociais. Enquanto cães acompanharam e colaboraram com nossos antepassados durante a caça, gatos faziam isso de forma solitária e independente.

Os cães estão associados a lealdade e são considerados o melhor amigo do homem. Como os lobos são os parentes mais próximos dos cães na vida real, é impossível não deixar de associar essas características com essas criaturas místicas da série.

Dragões são selvagens, excelentes caçadores  e extremamente fascinantes, pois ressaltam a beleza enigmática dos seres selvagens. Assim como dragões, gatos mantém muitas de suas características selvagens, o que reflete também fascínio e imprevisibilidade. Ter um gato dentro de casa, nos transmite a nossa própria beleza selvagem roubada de nossas vidas urbanas.

Estudos mostram que não há muitas diferenças genéticas entre gatos domésticos e seus ancestrais selvagens, mostrando que nossos gatos de hoje tem muito mais similaridades com seus parentes selvagens. Com isso, raças de gatos como Savannah e Bengal resultantes de cruzamentos de gatos domésticos e selvagens, promovem a ideia de estreitar ainda mais a nossa conexão com o mundo selvagem sem sair da comodidade de nossos lares. O dilema ético relacionado à geração de espécies híbridas será discutido em um outro momento.

 

Mulher louca dos dragões e mulher louca dos gatos

 

Assim como Daenerys e seus dragões, muitas mulheres têm seus gatos como confidentes e exibem uma relação emocional estreita com seus felinos.

Mesmo com o aumento da popularidade dos gatos graças à internet, mulheres sozinhas, sem filhos e com gatos são ainda alvo de críticas duras que inferioriza e ridiculariza a existência do vínculo humano-animal. Para muitos só o vínculo humano-humano enriquece nossa alma e exalta a nossa humanidade. Essa atitude tem como intuito anular nossa ligação com a natureza e esquecer que somos também animais.

O desenvolvimento da narrativa da personagem Daenerys é somente o reflexo da realidade de muitas mulheres que são classificadas como mulheres loucas dos gatos. A sociedade sempre está à espera da liberação da loucura, da bestialidade, do demônio, da parte indomada que existe no nosso animal interior. Por mais que isso choque as pessoas, o desfecho da Mãe dos Dragões era previsível. Afinal, a idade média nunca nos deixou.

Há muitos estudos que mostram que o estabelecimento do vínculo humano-animal é benéfico tanto para os animais quanto para seres humanos. Abordaremos sobre o tema na “Conferência sobre dilemas éticos na Veterinária” que estamos organizando. Logo colocaremos mais informações.

Até lá, que Bastet abençoe as mulheres loucas e seus gatos!

Foto em destaque: Mother of Cats, mãe de gatos.

Veja o site: https://www.teeshirtpalace.com/products/mother-of-cats-poster

 

 

Fontes:

Inside of a dog

How Wolves really become dogs

Cats domesticated themselves

The animals among us: how pets make us humans

The genomics of selection in dogs and the parallel evolution between dogs and humans

Claws out! Why pop culture clings to the crazy cat lady

 


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •